Paulo Freire Nunca Teve Originalidade Alguma!

No Brasil, o método do “patrono” Paulo Freire – na área da educação – é um erro grosseiro!

Não importa que ele tenha mil diplomas e seja laureado por quem quer que seja.

O resultado é uma desgraça já verificada nos últimos 25 anos.

Que desgraça?

O ensino público brasileiro!

O Brasil ocupa o 53º lugar no ranking[1] dos 65 países membros de organização unida em prol da educação.

Mesmo com o programa social que incentivou a matrícula de 98% de crianças entre 6 e 12 anos, 731 mil crianças ainda estão fora da escola (IBGE). O analfabetismo funcional de pessoas entre 15 e 64 anos foi registrado em 28% no ano de 2009 (IBOPE); 34% dos alunos que chegam ao 5º ano de escolarização ainda não conseguem ler (Todos pela Educação); 20% dos jovens que concluem o ensino fundamental, e que moram nas grandes cidades, não dominam o uso da leitura e da escrita (Todos pela Educação). Professores recebem menos que o piso salarial

Na verdade o que os esquerdistas sem visão global não conseguem visualizar é que o método Paulo Freire (socioconstrutivista tupiniquim) é uma burla, infectada pelo marxismo cultural que este plagiador colocou no método cristão-protestante do grande educador (esse sim) Frank Lauback.

“Frank Charles Laubach (2 de setembro de 1884 – 11 de junho de 1970) foi um missionário protestante conhecido nos EUA e nas Filipinas como “O apóstolo dos analfabetos”.

Em 1955 ele inaugurou a Fundação Laubach de Alfabetização, responsável por introduzir desde aquela época pelo menos 150 mil norte-americanos na leitura, doravante expandindo-se o programa para mais de 34 países em desenvolvimento, inclusive o Brasil. Estima-se que mais de 2,7 milhões de pessoas em todo mundo aprenderam a ler através de programas associados à Fundação Laubach de Alfabetização.

É possível perceber semelhanças entre o método criado por Laubach e o método freiriano, criado pelo educador brasileiro Paulo Freire, o que sugere uma sensível influência de Laubach nas práticas do jovem Paulo Freire.

O que os imbecis seguidores de um sistema de segunda-classe não entendem é que o gênio nunca foi Freire, mas alguém do Governo Vargas. Isto mesmo! Do único Presidente que prestou neste país: Getúlio Vargas, aquele que criou o Ministério do Trabalho, Ministério da Educação, Petrobrás, Vale do Rio Doce, e toda a infraestrutura que os militares ampliaram na década de 1970.

O Método Laubach foi introduzido no Brasil em 1943 a pedido do governo Vargas, ano em que o missionário veio ao Brasil para ministrar seu curso de alfabetização em Recife. Naquele momento Laubach realizou uma série de palestras em faculdades e escolas da região, distribuindo cartilhas em espanhol que lecionavam seu método de alfabetização. Seu programa era aliado a uma espécie de bolsa-escola da época, onde a família de cada educando recebia uma bolsa alimentação, logrando a partir desta fusão de ações um considerável sucesso, mais tarde sendo sucedido pelo programa MOBRAL durante o período do Regime Militar.

O contato entre Paulo Freire e o método de Frank Laubach se deu quando, na oportunidade em que Paulo Freire era diretor do SESI de Pernambuco, o missionário recebeu calorosa acolhida da região, com larga propaganda radiofônica.

Logo depois as atividades de educador de Paulo Freire alcançaram grande difusão, principalmente após sua adoção por entidades estudantis marxistas, quando ele passou a difundir novas cartilhas com uma proposta de alfabetização de teor marxista, voltadas para o campo e para os sindicatos. Desta forma, sua primeira experiência fora implantada em uma comunidade de cortadores de cana-de-açúcar, momento de teste de seu método que acabou por consagrá-lo como primeiro difusor de tal metodologia no mundo.

Após a chegada de Laubach, várias comunidades pernambucanas alcançaram notável alfabetização de suas populações, a exemplo da comunidade de “Brasília Teimosa” dentre outras iniciativas implementadas pelo Colégio Presbiteriano Agnes Erskine, que no total resultaram no letramento e alfabetização de mais de 30.000 pessoas. Tal esforço resultou em amplo programa denominado Cruzada ABC, responsável por quase uma década da educação de jovens e adultos em zonas periféricas de Pernambuco.”[2]

O patrono da educação brasileira?

Frank Laubach.

Se fôssemos buscar outros nomes de superior relevância interna teríamos Anísio Teixeira ou o Marechal Rondon. Mas, não, os oportunistas da esquerda caviar brasileira, encheram nossos miolos nos últimos 25 anos de ‘heróis da revolução” – dentre os quais estão os fundadores desta aberração socioconstrutivista tupiniquim.

Mas, um dia se descobre as coisas!

Até na “maior bandeira” da educação dos esquerdistas eles devem ao Evangelho, a um evangelista e ao método de Cristo o que seria uma ideia genial, porque de originalidade eles não tem nada!

Mas, que seja registrado que há demonstrações claras de que o “pai de Paulo Freire”, o deus do comunismo, Karl Marx foi um plagiador emérito da escola dos vigaristas!

  • http://plagiosdekarlmarx.blogspot.com.br/
  • http://resistenciamilitar.blogspot.com.br/2015/02/karl-marx-rei-do-plagio-mestre-da.html
  • http://www.olavodecarvalho.org/convidados/ipojuca2.htm

Mas, há cristãos que pensam estarem em um nível superior de entendimentos defendendo doutrinas de demônios! Sim, embora o marxismo tenha matado mais cristãos que Roma da Antiguidade e estes pulhas se ufanem das porcarias tais como “As Origens da Família, da Propriedade Privada e do Estado” do palhaço chamado Engels; há cristãos analfabetos funcionais ou mal intencionados mesmo, que defendem uma coisa abjeta como todas as teorias que advém deste sistema anticristão e fundamentado em assassinatos infindos.

Created with GIMP

A deturpação provocada por esta droga de socioconstrutivismo tupiniquim é que desviou-se do método de alfabetização que ensinava as pessoas a aprender e ler com a Bíblia na mãos! No lugar colocaram a cartilha marxista e Paulo Freire foi aplaudido de pé pelos pagãos e ímpios aliados do Satanás, ao passo que Laubach ganhou almas para Cristo. Mas, que importa esta coisa de “ganhar almas para Cristo” para um membro do materialismo dialético?

Os dias de hoje, exatamente no presente já mostra a linha de cada um deles!

Nós estamos presos a uma pauta pseudo pedagógica em que os professores se submetem a alunos e a violência corre solta. Teorias imbecis tais como a psicologia do “não corrija seus filhos com palmadas na bunda”, porque isto cria “traumas na personalidade”, nos trouxe a este absurdo jamais visto em que filhos ameaçam colocar os pais na cadeia se forem confrontados com o pátrio poder, aliás, chamar de “pátrio poder” é uma coisa considerada retrógrada e do mal!

O marxismo autêntico sempre odiou e sempre odiará o cristianismo autêntico. Se não puder pervertê-lo, então terá que matá-lo. Sempre foi assim e sempre será assim. No Brasil, figuras demoníacas como Paulo Freire conseguiram “deturpá-lo” ao lado dos figuras de alta estirpe do cenário nacional que defenderam a Teologia da Libertação – que a mesma coisa que Marxismo Cultural, focado em detonar profundamente com as doutrinas históricas clássicas dos “sete solas” (sete somente):

  1. Sola Scripturae ………………… Somente a Escritura
  2. Solo Dio gloria …………………. Somente a Deus toda glória
  3. Solo Christus dominus ……… Somente a Cristo o senhorio
  4. Sola Gratia Fide ……………….. Somente a graça da fé
  5. Sola Communio ……………….. Somente a comunhão
  6. Sola in Sanctitate Vitae …….. Somente a santidade da vida
  7. Sola Adventum Christi ………. Somente o advento de Cristo

O sujeito se diz cristão e não professa estes sete pontos de crença, não vive por eles e não fala deles, não defende eles e não se posiciona com conhecimento profundo sobre eles?

É um bufão!

Sou adversário de tudo que seja marxista no sentido educacional, cultural, ideológico, político, ético, estético e se tiver alguma outra abordagem: sou adversário!

Porque o primeiro ato do comunismo é “pegar Deus e colocá-Lo como coisa sem significado”. Isto é notório num dos fundamentos de Karl Marx, o satanista ao declarar:

“Assim um deus tirou de mim tudo na maldição e suplício do destino. Todos os seus mundos foram-se, sem retorno! Nada me restou a não ser a vingança! “Meu desejo é me construir um trono Seu topo seria frio e gigantesco Sua fortaleza seria o medo sobre-humano E a negra dor seria seu general “Quem olhar para ele com olhar são Voltará, mortalmente pálido e silencioso, Arrebatado por cega e fria morte. Possa a sua felicidade preparar-lhe o seu túmulo.” (Karl Marx, Obras Reunidas, Vol. I, N. York, International Publishers, 1974)

Afirma o autor  do livro “Era Karl Marx Um Satanísta?”  Essencial afirmar enfaticamente que Marx e seus colegas, enquanto antiDeus, não eram ateus, como os marxistas atuais descrevem a si próprios. Isto é, enquanto denunciavam e ultrajavam abertamente a Deus, odiavam um Deus em quem acreditavam. Sua existência não é posta em dúvida; Sua supremacia, sim.

Quando a revolução comunista irrompeu em Paris em 1871, o Camarada Flourence declarou: “Nosso inimigo é Deus. O ódio a Deus é o princípio da sabedoria ” (“Filosofia do Comunismo”, Charles Boyer, Fordham Umversity Press, N. York, 1952) Marx elogiava muito os camaradas que proclamavam abertamente este propósito

Sim, o comunismo de Marx era um evangelho, a salvação para todos os conflitos da existência, fosse o conflito entre homem e homem, homem e natureza, nações e nações. Assim lemos em seus Manuscritos de Paris:

“O comunismo é a abolição positiva da propriedade privada e por conseguinte da auto-alienação humana e, portanto, a reapropriação real da essência humana pelo e para o homem… É a solução genuína do antagonismo entre homem e natureza e entre homem e homem. Ele é a solução verdadeira da luta entre existência e essência, entre objetivação e auto-afirmação, entre liberdade e necessidade, entre indivíduo e espécie. É a solução do enigma da história e sabe que há de ser esta solução”.

O marxismo nega qualquer transcendência, qualquer realidade além desta realidade, seu “paraíso” deve se realizar neste mundo por  meio do controle total. Não apenas o controle político e econômico, mas o controle social, ideológico, religioso. Apenas uma pessoa muito mal preparada, imbecilizada e sem noção poderia supor que o Cristianismo pode abrigar o marxismo!

É revoltante ouvir pseudo cristãos defendendo Marxismo e não o Cristianismo!

Pior ainda, acharem que as duas coisas são da mesma espécie!

No total, os regimes marxistas assassinaram aproximadamente 110 milhões de pessoas de 1917 a 1987.  Para se ter uma perspectiva deste número de vidas humanas exterminadas, vale observar que todas as guerras domésticas e estrangeiras durante o século XX mataram aproximadamente 85 milhões de civis.   Ou seja, quando marxistas controlam estados, o marxismo é mais letal do que todas as guerras do século XX combinadas, inclusive a Primeira e a Segunda Guerra Mundial e as Guerras da Coréia e do Vietnã.

E o que o marxismo, o maior de todos os experimentos sociais humanos, realizou para seus cidadãos pobres à custa deste sangrento número de vidas humanas? Nada de positivo.  Ele deixou em seu rastro apenas desastres econômicos, ambientais, sociais e culturais. (Fonte: http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1584)

Não pode haver rivais. Não pode haver cristãos dizendo que há um Deus nos céus a quem pertencem todas as coisas e que realizou a salvação através da morte e ressurreição de Cristo. Não pode haver outra visão de mundo que não a marxista, não pode haver outra redenção senão aquela que será trazida pelo comunismo. O choque é inevitável.Por quê? Porque a mensagem de Cristo é “única, unicista e unificante” e Ele mesmo é o Poder que une tudo!

Os cristãos se baseiam na Palavra de Deus e sabem que marxismos e outros “ismos” fora dele são coisas de Satanás!

“Tende cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo e não segundo Cristo” (Colossenses 2.8)

Basta procurar pela Igreja Católica Ortodoxa na Rússia e ver como milhões de pessoas foram exterminadas pelo Comunismo literalmente assassino. Isto está hoje muito bem documentado e acessível na Internet.

Um exemplo?

A Igreja Ortodoxa sofreu a mais longa  e a mais  intensa perseguição  de  que  lembra a História (..) a Rússia era cristã há um milênio. A Igreja foi dizimada, visto que a maior parte dos bispos e dos padres, juntamente com milhares de crentes, tomaram o caminho dos campos. [3]

Em todo lugar onde esta Praga marxista é estabelecida um de seus primeiros passos é destruir a Palavra de Deus, atacar os valores e fundamentos do Reino de Deus e procurar exterminar de todos os meios que Satanás pode imaginar a sua legitimidade!

“O ateísmo de Marx certamente era de uma espécie extremamente militante. Ruge escreveu a um amigo: “Bruno Bauer, Karl Marx, Christiansen e Feuerbach estão formando uma nova “Montagne”(grupo mais radical da Revolução Francesa) e fazendo do ateísmo o seu lema. Deus, religião, imortalidade são derrubados de seu trono e o homem proclamado Deus. E George Jung, um jovem próspero advogado de Colônia e partidário do movimento radical, escreveu a Ruge: “Se Marx, Bruno Bauer e Feuerbach juntos fundarem uma revista teológico-filosófica, Deus faria bem em cercar-se de todos os seus anjos e se entregar à autopiedade, pois estes certamente o tirarão de seu céu …” (Karl Marx, Vida e Pensamento, David McLellan, Vozes, p. 54).

“Após Ter lido A Origem das Espécies, de Charles Darwin, Marx escreveu uma carta ao seu amigo Lassalle na qual exulta porque Deus – ao menos nas ciências naturais – recebeu o golpe de misericórdia” (Marx e Engels, Diltz publ. Berlim 1972, vol 30 p. 578).

Assim escreveu Robert Heilbroner em sua História do Pensamento Econômico. “Ele era o homem mais intolerante, mais briguento do mundo e desde o começo demonstrou-se incapaz de pensar que alguém que não seguisse sua linha de raciocínio poderia estar certo”.

De uma certa forma os conceitos cristãos negados foram de alguma forma substituídos filosófica ou psicologicamente. Mas o sistema marxista nunca coexistiu pacificamente com o Cristianismo. Ou ele tentou destruí-lo ou transformá-lo, como ocorreu com a Teologia da Libertação, que nada mais foi do que um “Evangelho Segundo Marx”.

Todo homem tem um deus. Rejeitar o Deus da Bíblia levará o homem à busca de um substituto. Friederich Nietzsche, o filósofo da morte de Deus, substituiu-o pelo que ele chamou de “super-homem”.

Aleister Crowley, revoltado com o puritanismo de sua infância voltou-se para os deuses pagãos. O marxismo fez da História o seu deus. Nela ele justificou muito dos seus crimes e fundamentou suas opiniões. “A História estava a seu favor” dizem os comunistas.

Estas histórias não são diferentes de um certo Nabucodonosor do texto sagrado de Daniel 4.

Concluo dizendo que esta plataforma de entendimento é seríssima em quem é do evangelho do Reino. Quem for de qualquer outra coisa que siga o que bem lhe parecer, mas finalizo dizendo:

Agora, pois, temei ao SENHOR, e servi-o com sinceridade e com verdade; e deitai fora os deuses aos quais serviram vossos pais além do rio e no Egito, e servi ao SENHOR.

Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao SENHOR, escolhei hoje a quem sirvais; se aos deuses a quem serviram vossos pais, que estavam além do rio, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; porém eu e a minha casa serviremos ao SENHOR. (Josué 24:4-5).

Prof. Dr. Jean Alves Cabral

www.professorjean.com

[1] http://brasilescola.uol.com.br/educacao/educacao-no-brasil.htm

[2] https://pt.wikipedia.org/wiki/Frank_Laubach

[3] BESANÇON, Alain. Breve tratado de sovietologia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1978.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *