Artigos

Por Que Nos Envolveremos Com Política?

Caros amigos,

Saudações Cordiais!

Trago para a Vossa apreciação, por escrito, uma reflexão que reputo oportuna e que lança luz sobre um desafio. Construir um caminho!

Um nobre amigo, patriota total, me lançou uma provocação à qual compartilho convosco, no melhor interesse, na contribuição dos direitos e objetivos do País – onde ocorre a nossa própria vida!

PAUTA: “Existe uma grande diferença entre reparar brechas é apontar brechas. A pergunta está no ar: Qual é nosso propósito neste grupo, de maneira específica, sem generalizações, e mais, qual é nosso propósito como ‘personas políticas’?”

São três perguntas abertas e uma velada na sua manifestação, se me permitem uma apreciação da pauta sugerida.

1- A diferença entre reparar e apontar brechas parece-me que se definirá pelo sentido etimológico primário das duas palavras centrais: “reparar” significaria tentar corrigir algo que ainda dá para ser aproveitado e, no que pertine ao (1) sistema socioeconômico brasileiro é impossível, ele todo é podre, (2) no que pertine ao esquerdismo claudicante diante de nós ou da pseudo direita que pensa poder enfrentar a militância estruturada e calçada no marxismo cultural sem trabalho pesado e consistente de “doutrinação elementar” sobre o que é a verdadeira direita – com, todo respeito aos brasileiros que discordam, sobra o que aqui estou tentando sintetizar em poucas linhas: “apontar” as brechas do que está aí e, creio ser claro como água de rocha: podemos “APONTAR” a bagunça que estamos vendo, com a comparação, com a análise, com o História recente e possuir um diagnóstico – mas, o que precisamos mesmo é “EDIFICAR” um novo Brasil. Daí que “REPARAR” se torna inócuo. Uma nova ordem de coisas precisa ser instituída, e ela se faz objetivamente RETIRANDO DA CENA PÚBLICA os larápios que ocuparam tudo nos Três Poderes, colocando no lugar, brasileiros e brasileiras que sejam honestos, tenham o verdadeiro espírito cívico de pátria brasileira com suas implicações no temor de Deus.

2- A segunda questão, pelo que depreendo deveria ser a de criar conexões entre pensadores que concordam com o que está enunciado no item anterior. Mas, grupos de whatsapp podem surgir hoje e acabar amanhã. Também as agendas são cheias de compromissos e desafios na vida profissional – todavia, a construção de uma consciência cívica-nacionalista anti-socialista (o que nos distanciará do Nazismo) e sem ser rendida aos vendilhões do Brasil (numa paráfrase dos vendilhões do Templo Israelita) – porque o que temos visto como “direita” na atualidade está cheio da Plutocracia Coronelista dos senhores feudais que insistem em fazer negócios às expensas do desenvolvimento nacional (Serra, Aécio, Calheiros, Temer, Lula-Dilma, Ciro, Marina, Genro, e qualquer outro que se defina socialista, progressista, esquerdista, marxista, etc., Foro de São Paulo). É preciso surgir dentro da República, centenas e milhares de grupos de discussão sobre o que, exatamente significa ser (1) de Direita, (2) Conservador, (3) Democrata, (4) Republicano e, depois de entender bem isto, encontrar estratégias de ação concreta para derrubar do Poder desta camarilha de ladrões que segundo Joesley Batista, chega a mais de 1400 políticos para os quais ele entregou um “cascalho” e fez alguns “mimos” da ordem de mais de MEIO BILHÃO DE REAIS – isto se considerarmos apenas Joesley, sem colocar em cena os cartéis concorrentes dele, indústria farmacêutica, agronegócio, educação, saúde, dinheiros para ditadores africanos, a entrega da Petrobrás na Bolívia, o calote da Venezuela esta semana, e tantas coisas que gastaríamos uma madrugada apontando-as!

3- A terceira questão acerca do que significa “ser político” poderia ser respondida pela tradição acadêmica que diz, em suma, que “é o sujeito que cria leis, fiscaliza a execução destas e defende a Polis” (Cidade). Eu diria que é o envolvimento sério, responsável, com o legislativo, o executivo, o judiciário e a imprensa – que são os 4 poderes que precisam ser devolvidos aos brasileiros que se definem objetivamente não pelos valores próprios da Cidadania Brasileira com seu Samba, Carimbó, Música Gaúcha, Sertanejo e Baião – para citar apenas algumas das coisas mais elementares de nossa Cultura que está sendo substituída por um lixo medonho sobre ética gay (ou LGTB …), socioconstrutivismo já instalado, entrega de todas as conquistas que custaram 120 bilhões em dívidas nos Governos Militares que, à seu turno, criaram uma infraestrutura que deveria, na sequência, produzir ciência, tecnologia e inovação pelos Governos Civis e, depois do esforço dos Governos Militares para nos retirar da 49ª posição na economia mundial e nos colocar no 8º posto – com inteligência e devoção patriótica: colocar-nos como competidores face a face com a China, Índia, e outros mercados emergentes. Mas, não! Nos lacaram e, além de termos hoje o mega-projeto de engenharia social que pretende ferrar com a cabecinha de nossas crianças com sexismo aos 8 anos; tivemos os precursores desta desgraça, nos ilustres José Sarney, Fernando Collor, Itamar, FHC, Lula e Dilma nos apontaram a Idade Média como opção gloriosa para o Estado Brasileiro no século XXI, ao qual o Sr, Michel Temer – já idoso, à semelhança de Salomão, sem vergonha, parece venerar como um culto devocional efusivamente altaneiro dos seus 4% de aprovação popular. Meus caros, ao roubarem como puderam tudo que tínhamos recebido de infraestrutura legada pelos governos militares, ao invés de avançarem modernizando a indústria, a ciência e a tecnologia – nos fazem passar vergonha com “ensacamento de vento”, “saudação à mandioca”, “mulheres sapiens”, “discursos mentirosos sobre milhões de crianças que estão morrendo nas ruas do Brasil” e, ainda por último, uma coisa que nem Deus em Gênesis 6 disse ser possível: “o ser humano viver mais que 120 anos”.

4- Por último, a pergunta velada. Aquela que não foi declarada, mas está na intenção das três anteriores à qual me apego como voluntário para debates em alto nível e sem bobagens pontualistas que não servem para nada: por que alguém dedicaria tempo diariamente, por 15 minutos no final do dia para ler o que as pessoas deste grupo escrevem e se envolver com tais temáticas de modo sério e aliado com os três pontos anteriores? Falarei por mim (óbvio): a glória de Deus, a honra da pátria, a prosperidade da família e a felicidade pessoal. Não aceito que uma das glórias da Nação Brasileira hoje seja o fato de que tínhamos 10 milhões de pessoas na Bolsa Miséria e hoje isto aumentou para 20 milhões – com todo respeito, quem fez isto conosco? Maldito seja!

De resto, meus caros, é café pequeno!

Prof. Dr. Jean Alves Cabral

(www.professorjean.com)

Minhas Diretrizes Ministeriais

 

O meu Ministério é uma iniciativa particular de um profissional da área de Terapias Naturais que está no mercado desde 1997. Mas, é “ministério” no sentido de que eu “ministro às pessoas” aquilo que recebi.

Minha conexão com certas linhas de composição acadêmica me caracteriza como evangélico, pragmático, utilitarista e holístico. Sou exatamente isto e, se me perceber desviando-me desta abordagem me constranjo a retornar para ela!

Uma composição quadrimensional com esta base é a chave de meu autocontrole como quem precisa de muito domínio próprio para honrar compromissos, além de posicionar-me nas considerações sobre a vida, da finalidade do existir, da composição de uma ética correspondente e, da utilidade que me disponho ter enquanto tiver forças para tanto.

Na organização ideológica do Ministério do Prof. Jean, uma direta conexão com a mensagem do Apóstolo João se impõe pelo texto de 1ª João 2:6 que assevera “aquele que diz estar nEle deve andar como Ele andou” e, na direção de uma ampla composição acerca deste valor que foi eleito como o fundamento da minha fé, entendo, pela leitura cuidadosa de Mateus 4:23 (9:35) e Atos 10:38 que a obra que me é determinada, engloba “ensinar, pregar, curar e fazer o bem”.

Isto se coaduna com a abordagem de minha carreira, que objetiva atender nestas quatro áreas de minha confissão.

Desde jovem que a teologia e a pregação do evangelho são minhas principais áreas de estudos – isto se configurou dos 14 aos 29 anos quando, iniciei-me na carreira das terapias naturais simultaneamente como professor e terapeuta. Agora aos 49 anos – exatamente 20 anos depois do início nesta área, consolido-me como professor.

Na construção de minha própria carreira, porém, uma visão especial acerca do “tempo” se impõe. Ela trata da questão do tempo da vida. O Salmo 90:10 sugere entre 70 e 80 anos para cada um de nós. Ora, isto significa objetivamente que estou diante de um fato absoluto: eu devo planejar-me para adaptar-me ao imperativo dos 21 anos que me restam no sentido da energia criativa e proativa natural – ate chegar aos 70 anos.

O que verei nestes próximos 21 anos?

Que pessoas morrerão? Eu mesmo morrerei?

Parece meio grotesco falar nisto?

Mas, esta é uma das questões que tenho procurado pontuar comigo mesmo, no justo interesse de quem deseja ser 100% honesto, verdadeiro, coerente e sobretudo, buscador da limpeza da alma, que me permita estar diante de Deus e poder agradecer pela dádiva da vida que me foi concedida.

Prof. Dr. Jean Alves Cabral

O Sistema de Dominação Mundial.

Um número crescente de pessoas está se tornando conscientes de que 99% da população da Terra são controladas por uma “elite” de 1%, mas o Conselho das 14 famílias controladoras consiste em menos de 1% do 1% desta “elite” e ninguém na Terra pode candidatar-se a adesão. Por quê? Em sua opinião, eles têm direito a governar o resto de nós, porque eles são os descendentes diretos dos deuses antigos e consideram-se realmente muito especiais. Não entrarei na pauta acerca dos Nephilins, porque muita gente considerará, neste momento uma enorme “viagem” minha e de um grupo de pesquisadores, mas vamos ao ponto-chave – essas famílias são:

Rothschild (Bauer ou Bower)

Bruce

Cavendish (Kennedy)

De Médicis

Hanover

Habsburg

Krupp

Plantagenet

Rockefeller

Romanov

Sinclair (St. Clair)

Warburg (del Banco)

Windsor (Saxe-Coburg-Gothe)

Casa de Morgan

(Pessoalmente, eu suspeito que possa não ser a lista completa e outras linhagens muito poderosas são desconhecidos para nós).

Mas, vamos à análise?

A falta de conhecimento é a chave de todo problema de interpretação nas grandes questões do mundo que nos rodeia.

Apenas as pessoas que não possuem um apego efetivo com as letras, não podem entender o que significa exatamente “dialógica” e “dialética” em direção à verdade.

Eu identifico sempre quatro fatores como sendo as bases de toda falha intelectual na abordagem das questões: a falta de compromisso com a pesquisa sobre os assuntos; a falta de compromisso com a integridade acima de interesses pecuniários menores; a falta de respeito por si mesmo e a sujeição em torno de uma exposição sem critério metodológico mínimo e; a falta de acesso às informações necessárias para o justo juízo.

Sugiro, aos que queiram seriamente uma busca para entender o que são as três elites globalista que controlam o mundo, iniciar com uma investigação sobre um sujeito chamado Cecil Rhodes que foi (1) criador da Rodésia e de outras duas estruturas: uma (2) Sociedade Secreta e o (3) Fundo de Bolsas Acadêmicas Rhodes.

Com estas três medidas, este cidadão britânico iniciou o que hoje é a maior de todas as organizações de manipulação, controle, incursão e política global em torno de uma ideia à qual ele mesmo expôs em uma de suas falas: “… como mostra a história de todos os países, a expansão é tudo, e posto que as extensões de terra sejam limitadas, cabe então tomarmos desde logo as maiores porções possíveis, antes que seja tarde demais”.

O que poucas pessoas sabem ou conseguem ver, devido ás nuvens da vida comum que exige nossa atenção imediata na provisão da sobrevivência é que o que ele começou se posicionou e está devidamente fincado no mundo atual em quatro pontos bem fáceis de aprender se tivermos foco na busca pelas respostas às perguntas corretas:

  1. Cosmovisão Real – O nosso mundo não é uma bola, é absolutamente “terra plana”, com um sol e uma lua debaixo do Domo Celeste – mas, embora um bom número de pessoas que não estudam nada e se acham grande coisa façam galhofas deste fato, o movimento dito “globalista” é, na verdade atrelado a uma organização “discreta” (não secreta, senão eu e outros não saberíamos!) dominam o Tratado da Antártida desde 1959 e, através de uma Confraria muito especial exploram os Continentes que estão além do círculo de gelo que envolve a “área que conhecemos como nosso mundo” – porque é desta plataforma e da relação com as criaturas que estão além do círculo de gelo que se manifestam todas as questões referentes ao “nosso mundo”. Maluquice? Eu achava isto quando vi uma tela de computador pela primeira vez, achei doideira o celular que me permite ver uma pessoa em tempo real – num mundo em que coisas extraordinárias são criadas, por que deveríamos nos fechar a possibilidades? Mais ainda: e se eu tivesse informações que são críveis e possíveis? Por que alguém que estuda a vida há 34 anos se maravilharia com fatos tais como estes dois: Terra Plana e Civilizações Além do Círculo da Antártida?
  2. Controle da Mídia – Há uma clara dominação mundial da mídia; disto ninguém com alguma capacidade intelectual poderá duvidar. Teria que ser profundamente imbecilizado um intelectual que confiar em agências de informação atreladas aos dominadores da mídia mundial. Isto nem carece discussão, é perda de tempo! O que não nos percebemos com a seriedade devida é que nunca se fala da questão da Cosmovisão Correta e ao contrário o projeto mantém as pessoas presas em duas plataformas psíquicas: presas num mundinho de “comida, bebida, sexo e conflitos pessoais diversos”, vedados à possibilidade de ir além e se alguém for deve ser cooptado ou eliminado; e, uma das provas incontestáveis disto é que se alguém pensar “fora da caixinha” como eu estou me atrevendo a fazer aqui, é imediatamente rotulado de “louco, idiota, sem crédito” e outras babaquices do gênero – como se a opinião contrária pudesse estimular-me a desistir ou, por algum ato de covardia fizesse os que tem espírito investigativo parassem de analisar as possibilidades que sugiro. A mídia precisa manter-nos convictos em torno de uma imagem precisa: um planeta bola, onde as nossas vidas são muito pequenas, não existe Deus algum, a História Bíblica é tolice, os movimentos denominados “marxismo”, “materialismo”, “revolução cultural” e outras porcarias do mesmo nível nos mantém presos numa caixa mental menor – enquanto isto Impérios Familiares estão firmemente constituídos e construídos. Nós, povinho miserável e sempre com um pirex na mão, temos quantos anos de vida mesmo? 70 ou 80? Quem chega a tudo isto? É mais fácil concentrarmos nossa atenção à aposentadoria e que se dane esta história de manipulação global – e a mídia conquistou assim seu êxito: manter-nos dentro da caixinha, esmagados e dominados.
  3. Domínio dos Meios de Produção – Afirmo que um grupo de 14 famílias controlam todas as riquezas da Humanidade e estão em conflito contra o Novo Califado Muçulmano e contra o Bloco Russo-Chinês. Afirmo que a vantagem das 14 famílias está num trincado e complexo jogo de relações internacionais em que não apenas todo o dinheiro do mundo está envolvido, mas o controle do poderia militar dos EUA, do Federal Reserve, bem como de todas as forças aliadas do maior poderia militar e econômica da história da humanidade (os EUA). Basta observarmos, sob o ponto de vista da estratégia mundial, ninguém pode “peitar os EUA” sem correr um sério risco de ser extinto. Há diversos fatores para esta logística deles funcionar, tais como posicionamento geográfico privilegiado, recursos tecnológicos, dominação das principais reservas de meios de produção, melhores universidades, política interna favorável a manipulação social, etc. – mas, o ponto-chave é que esta estrutura inteira é controlada por um único centro de comando. Citarei o Federal Reserve como exemplo, porque sem dinheiro não se faz nada neste mundo e o controle do sistema financeiro total da Terra está sediado nesta organização conhecida como FED. De acordo com o Conselho de Governadores, o Fedé independente dentro do governo, de modo que “suas decisões não têm que ser ratificadas pelo Presidente ou por nenhum outro membro do Poder Executivo ou do Legislativo.” Todo o dinheiro da Humanidade está atrelado a esta plataforma de controle. Mesmo os islâmicos e os russos-chineses dependem destes dominadores. Por quê? Porque toda a tramitação de riquezas está controlada por tecnologias de base que apenas os EUA controlam, portanto, um bloqueio da parte deste e os 2 concorrentes estarão mergulhados numa crise jamais vista. Como funciona a crise? Basta quebrar as finanças dos dois blocos e os meios de consumo são afetados, os bens que as pessoas querem para “comer, beber, fazer sexo e lidar com os conflitos pessoais” será afetada e, o clamor por atendimento de tais “necessidades” implode a paz interna, deixando os governantes, os líderes loucos e com risco de revoluções sem fim e face-a-face com a morte. O que ninguém parece prestar atenção é que todas as discussões sobre política e possibilidades gerenciais são “café-pequeno”, a plataforma de dominação controla a própria vida e não está interessada em “comer, beber, faze sexo e conflitos pessoais” – porque as 14 famílias são dinastias de dominação total e não um grupelho de aventureiros que pretende ajudar as pessoas a terem uma vida melhor, ou mesmo ser uma sociedade melhor qualificada. Esta gente não dá a mínima para isto. Por que não ligam? Porque eles possuem os Continentes além do Círculo Antártico, eles possuem todo controle de dominação dentro de nosso campo da atuação, eles dominam os meios totais de produção e, nenhuma revolução poderá atingi-los porque não existem revoluções sem a participação deles. Mas, apenas estúpidos e idiotas úteis não percebem isto. Provas? Evidências? Ora, basta pesquisar sobre as grandes guerras. Quem está sempre atrás de uma guerra? Uma das 14 famílias, ou, no caso da 1ª e 2ª Grande Guerra, todas elas! Sigam o dinheiro. Os imbecis, que no Brasil ficam aplaudindo coisas tais como “movimento gaysista”, “movimento feminista”, “destruição da educação infantil”, “revolução cultural”, “movimento a favor da maconha”, dentre outras porcarias deste nível, não se apercebem ou são vagabundos mesmo para não notarem que o dinheiro que patrocina estas coisas vem de figuras tais como George Soros, Fundação Rockfeller, Bancos alinhados com o FED, onde as 14 famílias exercem dominação total. Meus amigos, nos documentários Zeitgeist, the Movie e Zeitgeist: Addendum são feitas críticas ao Fed, apontando que não se trata, de fato, de uma instituição federal e sim privada, a qual teria provocado a crise de 1929 assim como todas as demais crises após esta, inaugurando uma Era de Manipulação Direcionada a Manter a Humanidade Dentro do Controle. Críticas mais contundentes, assim como uma versão histórica completa do “FED”, podem ser vistas no documentário “The Money Masters”. Sugiro alguns títulos, mas, pode-se começar por “A História Secreta do Ocidente” (Nicholas Hagger), ou por “Origens do Totalitarismo: Antissemitismo, Imperialismo e Totalitarismo” (Hannah Arendt). Ainda há o interessantíssimo “Brotherhood os Darkness” (Irmandade das Trevas) de autoria do Dr. Stanley Monteith. Podemos indicar mais uns 7 para quem quiser – mas estes 3 são bom começo e um choque de informações que abrem uma enorme caixa de possibilidades e visões que apenas bobalhões não prestam atenção e não conseguem ver.
  4. Grupo de Controle Mundial – Mas, antes que qualquer um de nós possa entender o quadro todo até onde já está revelado, num enorme quebra-cabeça, que vamos montando como pesquisadores independentes, “malucos, doidos e amaldiçoados” pelos críticos de plantão que querem um mundinho onde qualquer “teoria de conspiração” é coisa de pirados; antes de fazermos as perguntas certas para podermos ter as respostas certas para essas perguntas, temos que entender que tudo nasce com a partir do sujeito chamado Cecil Rhodes. Esta figura, mal conhecida até mesmo em circuitos mais ortodoxos de pesquisa, teve uma finalidade e um objetivo na vida e ela se firmou na criação de uma Sociedade Secreta cheia de dinheiro (fruto do Império dos Diamantes da África) fundada em 1891, onde as 14 famílias paulatinamente irão se aliar e colocar seus pilares e controlar, a seu turno, o Comitê de Relações Exteriores dos EUA que domina a ONU, o Grupo Bilderberg e a Comissão Trilateral, além de algumas outras organizações estratégicas. Meus amigos há um esquema de controle, as entidades secretas e iniciáticas atuais atendem apenas a estes interesses,são descendentes e ramificações dessa organização secreta original do Cecil Rhodes. Não é apenas a questão da dominação do que está dentro do circuito Antártico, mas do que está além dele! Toda a vida deve ser dominada, tudo deve estar sobre controle – em nome de uma filosofia de “bem maior” mas, que, examinada bem de perto, está cheia de toda sorte de “guerras, manipulação de raças, extermínio de pessoas para que as 14 famílias possam estar em evidência sempre nos círculos internos de dominação”. O Professor Carroll Quigley (https://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&sl=en&u=https://en.wikipedia.org/wiki/Carroll_Quigley&prev=search) foi um dos principais historiadores do século XX, e lecionou em Princeton e Harvard antes que ele aceitasse uma posição na Universidade de Georgetown. O professor Quigley, descobriu acidentalmente sociedade secreta de Cecil Rhodes. Ele pesquisou durante vinte anos, analisou os seus arquivos secretos, e escreveu dois livros sobre o movimento secreto. O primeiro livro do professor Quigley, “The Anglo-American Establishment” foi concluído em 1949 ou 1950, mas sua publicação foi reprimida durante 30  Seu segundo livro, “Tragedy and Hope: A History of the World in Our Time”, foi suprimida por 6-8 anos, mas ambos os livros estão disponíveis hoje.

Para concluir, trazendo uma pauta de gente grande, saindo de diálogos menores e subjacentes de quarta ou quinta categorias em importância no cenário das possibilidades realísticas, colocarei algumas fotos que sugerem alguma coisa muito ampla – e eu tenho muito material, assim como certo circuito de colegas possui – deixarei aqui uma afirmação de David Rockefeller, o Fundador e Presidente Honorário da Comissão Trilateral: “Alguns chegam a acreditar que somos parte de uma cabala secreta trabalhando contra os interesses dos Estados Unidos, caracterizando a minha família e a mim como “internacionalistas” e de conspirar com outras pessoas ao redor do mundo para construir um mundo mais integrado política e economicamente em uma estrutura global – um único mundo (NWO-New World Order, uma Nova Ordem Mundial) se você quiser. Se esse é o custo, sou culpado, e estou orgulhoso disso.” (Fonte: http://www.newswithviews.com/Monteith/stanley101.htm).

Portanto, sejamos cuidadosos em analisar as coisas, antes de nos metermos a falar sobre o que não conhecemos porque não investigamos com a acuidade necessária.

Espero ter aberto um bom painel de estudos!

 

Como Definir o Plano de Vida?

Entendamos uma coisa:

Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte. (Provérbios 14:12).

Há um caminho que parece direito ao homem, mas o seu fim são os caminhos da morte. (Provérbios 16:25).

Poucos versos na Bíblia Sagrada são repetidos; este é um deles!

É como se Deus estivesse repetindo, exatamente para que cada um de nós possa entender que é exatamente isto mesmo que Ele está determinando para a vida de todos nós: o controle da nossa vida não é nosso!

Isto pensamos em relação à raiz do pensamento proposto, onde qualquer teoria do tipo defendida pelos Coaching’s, pelos Ideólogos da Psicologia Positiva e da Filosofia da Prosperidade!

Ora, é essencial que cada servo de Deus ordene mentalmente, para ter dignidade de ser de fato servo de Deus, a necessidade de calar a boca e silenciar os seus desejos e visualizar o que diz o Senhor:

Aquietai-vos e sabei que Eu Sou Deus; serei exaltado entre os gentios; serei exaltado sobre a Terra. (Salmo 46:10).

Este silenciar é para ouvir Quem tem poder de cuidar da vida e receber a Sua instrução com humildade por motivos que Ele mesmo define.

Nesta compreensão, fica bem evidenciado que alguns pontos são elementares nesta instrução divina:

(1) O que queremos?

(2) Por que queremos?

(3) Onde queremos?

(4) Como faremos?

Seja lá o que for o que nosso coração anda desejando, é nesta exata medida que se impõe a necessidade de abrandarmos o nosso desejo e perguntarmos a nós mesmos:

Como responderei dentro de mim estas quatro perguntas?

Longe de propor um bocado de teorias e teses, de filosofias e achismos, a Palavra de Deus é bem clara e objetiva no tocante a esta questão e ela diz exatamente o seguinte:

Todos os caminhos do homem são puros aos seus olhos, mas o Senhor pesa o espírito. Confia ao Senhor as tuas obras, e teus pensamentos serão estabelecidos. O Senhor fez todas as coisas para atender aos seus próprios desígnios, até o ímpio para o dia do mal. Abominação é ao Senhor todo o altivo de coração; não ficará impune mesmo de mãos postas. Pela misericórdia e verdade a iniquidade é perdoada, e pelo temor do Senhor os homens se desviam do pecado. Sendo os caminhos do homem agradáveis ao Senhor, até a seus inimigos faz que tenham paz com ele. Melhor é o pouco com justiça, do que a abundância de bens com injustiça. O coração do homem planeja o seu caminho, mas o Senhor lhe dirige os passos. (Provérbios 16:2-9)

Ora, quando somos jovens[1], temos a tendência de sermos apressados e agitados, mas quando se chega ao final do sétimo septênio[2] não há mais espaço para criação de “uma nova vida” – com a única exceção de calamidades tais como guerra, falência ou uma doença grave.

A tendência pessoal é a de se estabelecer um sossego e uma firme diretriz em torno do que deverão ser os próximos 14 anos em que a aproximação com o ancionato se estabelece.

A tendência de pretendermos definir, decidir, planejar e assumirmos “nosso controle” sobre a nossa vida está, com certeza, alinhado com o poder volitivo[3], é uma das marcas que nos caracteriza como seres humanos; porém, a diferença entre o tolo e o sábio, entre o idiota e o sensato, entre o entendido e o ignorante, está exatamente no fato de que o servo de Deus estará do lado dos que são sábios, sensatos, entendidos e, sobretudo, respeitoso para com as demandas de Deus.

Por isto, pontuo os itens que foram estabelecidos para quem quer organizar a vida sem riscos de errar diante de Deus e não adotar o caminho que no final é de morte – apontando cuidadosamente o que o Senhor nos instrui colocar dentro de nosso Quadro Mental:

  • Reavaliação Espiritual no Princípio da Fé – Provérbios 16:2-3. Devemos pesar nosso espírito diante de Deus – fazer permanente reavaliação de nossas razões e motivos (para conferir tal princípio, ver: Romanos 14:12; 2ª Coríntios 13:5-6). Devemos estabelecer uma relação de confiança (fé) em Deus e nosso Quadro Mental será protegido com a própria mente (para conferir tal princípio, ver: Romanos 1:16-17; Hebreus 11:1,6).
  • O Domínio é do Senhor – Provérbios 16:4. Todo controle da vida e da existência é do Senhor! Ele é o Rei da vida e não interessa se concordamos ou não com isto, a nossa vida só ocorre porque estamos nEle e Ele nos permite existir nEle mesmo (para ver tal princípio, ver: Salmo 104:27; 145:15 e Atos 17:24-28).
  • Postura de Humildade – Provérbios 16:5. A postura de humildade permanente, de aceitar que as circunstâncias, que as dificuldades, que todas as lutas, são oportunidades para aprender a dependência de Deus e que nossa vida é transitória e provisória (para ver tal princípio, ver: Tiago 4:6-10 e Filipenses 4:6-9).
  • Manter-se no Temor do Senhor – Provérbios 16:6-7. O maior de todos os princípios é o de respeitar a soberania e o senhorio de Deus pelo desvio do pecado, o que implica em possuir uma postura de vigilância espiritual e convivência com pessoas que não sejam pecadores contumazes e sim, buscar uma vida de paz e ética ilibada (para ver tal princípio, ver: Salmo 1:1-3; 27:11; 25:1-7).
  • Simplicidade – Provérbios 16:8. O próprio texto encerra em si mesmo a lógica do princípio: “melhor é o pouco com justiça, do que a abundância de bens com injustiça”. Para aprofundar este princípio sugerimos estudar: Salmo 37:16; 39:6; 62:10; Provérbios 11:28; 13:7-8; 22:1; 22:4).

Exatamente porque estes seis princípios estão implantados no Quadro Mental da pessoa, ela já é uma pessoa de sucesso e vitoriosa – repetirei, não é a quantidade e nem a qualidade dos bens materiais que se possui, nem fama, nem prestígio, nem ostentação, mas, objetivamente a vivência em torno destes seis princípios – a firme convicção sobre estes valores.

Por quê?

O coração do homem planeja o seu caminho, mas o Senhor lhe dirige os passos. (Provérbios 16:9).

Sim, a força e a virtude de um servo de Deus não repousa em sucesso numérico, nem em metas conquistadas, mas na atitude mental correta, pois está escrito:

Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em Ti; porque ele confia em Ti. (Isaías 26:3).

Com estas palavras firmo meu compromisso comigo mesmo em torno da edificação de minha própria caminhada e, escrevo e publico para permitir-me a contínua verificação e revisão.

__________________________________

[1] Um período que vai de zero a vinte oito anos – depois, espera-se que o sujeito tenha já a maturidade para entender quatro pontos essenciais sobre a sua própria individualidade: identidade, coerência, transparência e compromissos.

[2] 49 anos – sétimo ciclo de setes anos de vida.

[3] Poder da vontade livre de escolher como quisermos.

Curso Superior de Validação em Teologia da FAK

Olá meus amigos,

Fui convidado pela Direção da Faculdade Kurios, com sede na Cidade de Maranguape (CE), para ministrar uma disciplina intitulada “Epistemologia do Conhecimento de Deus”. Será no Curso Superior de Validação em Teologia. Projeto que me sinto honrado em poder participar!

De início, aceitei pela extraordinária chance de compartilhar uma visão que tenho tido deste setor, mas também pela grata satisfação de interagir com nobres estudantes da Casa que me acolheu com 2 projetos meus na área de saúde, na esfera da Especialização e que já ocorre oficialmente na FAK.

Pois bem, avançando cuidadosamente em direção da plataforma de gestão, coloco aqui nesta página os materiais que os Estudantes deverão assenhorar-se conforme descrevo na mensagem abaixo.

Cordialmente,

Prof. Dr. Jean Alves Cabral

Disciplina: Epistemologia do Conhecimento de Deus.

Antes de qualquer questão, peço a gentileza de assistir ao vídeo indicado a seguir. Ele versa sobre uma questão crucial e essencial da vida: O Que Fazer Para Mudar de Vida? (Prof. Olavo de Carvalho – 17 minutos).

Um Teólogo é alguém que se propõe favorecer as pessoas a encontrarem a oportunidade de uma conquista de objetivos específicos ou objetivos estruturais no campo espiritual, moral e sobretudo, existencial. É literalmente um construtor de vidas! (Efésios 2:20-22).

Porém, é preciso achar-se antes de se lançar no ofício de construir vidas, de ajudar a empreender, de compor projetos em que a Palavra de Deus se reveste de significados e utilidade real!

É preciso, na qualidade de futuros Teólogos, no sentido stricto sensu da expressão, se ver no processo da descoberta da presença de Deus em si mesmo e, nesta primeira provocação, espero com sinceridade, possa ser positiva em abrir uma ambiência mental que nos faça trabalhar juntos até concluirmos esta disciplina de modo favorável para todos nós.

 

(1) Introdução a Disciplina.

Na dispensação da disciplina que iremos estudar, uma dinâmica está aqui enunciada:

  • Primeiro, é preciso entender a Ementa da disciplina: A Epistemologia do Conhecimento de Deus, ou Epistemologia Teológica equivale ao mesmo que dizer: ‘reflexão geral em torno da natureza, etapas e limites do conhecimento humano, esp. nas relações que se estabelecem entre o sujeito indagativo e o objeto inerte, as duas polaridades tradicionais do processo cognitivo; teoria do conhecimento’. Neste sentido, queremos uma “Teoria do Conhecimento de Deus”. Nesta disciplina, traremos à cena, quatro figuras específicas de abordagem: (1) Tomás de Aquino, (2) Boaventura – Giovanni di Fidanza, (3) Agostinho de Hipona, (4) a Confissão de Westminster. O objetivo final da disciplina é o de criar um painel onde o Estudante possa lidar com a sua própria definição acerca do seu conhecimento de Deus e acerca das responsabilidades decorrentes desta percepção particular no sentido da vida pessoal e testemunhal. 
  • Segundo, obedecendo ao que se dispõe pela Coordenação do Curso para este Professor, faremos o seguinte:
    • Imediatamente, os Estudantes deverão assistir 12 horas de vídeos temáticos conforme indicamos abaixo.
    • Assenhorar-se do material de leitura que disponibilizamos imediatamente, conforme indicamos abaixo. Há um material obrigatório e há um material de apoio – convém examinar tudo para se albergar boa expertise. Computaremos 6 horas nesta atividade que deverá ser seguida como indicaremos abaixo.
    • Produção de material avaliativo conclusivo da disciplina e que corresponderá a 4 horas de atividades.
  • Terceiro, a linha de investigação é a seguinte:
    • O que é Epistemologia?
    • O que é Epistemologia Teológica?
    • A Sabedoria Epistemológica em Boaventura.
    • A Epistemologia em Tomás de Aquino.
    • A Epistemologia em Agostinho.
    • O Conhecimento de Deus na Confissão de Westminster.
    • Uma Teoria Objetiva e Particular do Conhecimento de Deus.
    • O Conflito com o Ateísmo Contemporâneo e o Conhecimento de Deus.
    • A Contribuição da Banca do Professor.
    • O Domínio das Cinco “Solas” e do Empirismo Particular.

(2) Materiais de Suporte.

Aqui colocarei os materiais que estão anexados na minha plataforma pessoal, para que os alunos possam albergar a dinâmica de entendimento do conteúdo que compõe a disciplina. Recapitulando, são:

(2.1.) Material Obrigatório.

Consiste em material que deve ser estudado, lido e analisado pelos Estudantes, para formação de uma consciência ampla sobre o significado da Dinâmica da Disciplina, tal como o temos visto no cenário clássico a que se destina.

Os materiais são indicados nos link’s e se tornaram de domínio público. Para baixá-los, basta clicar nos link’s e eles abrem na página ao lado. Computaremos 6 horas de atividades de leitura e interação com este conteúdo.

É importante que cada estudante tenha em sua mente que, estamos num Curso de Formação Superior, portanto, todos já estão cônscio da importância do aprofundamento particular nas dinâmicas de leitura e, a criação de um domínio sobre um determinado material de leitura para “ambientação sobre as pautas” é questão simples e que todos devem ter na conta de instrumental fundamental para se poder dialogar sobre as questões.

São 10 textos e cada estudante deve estudá-los não só nesta disciplina, mas em sua carreira junto ao mundo eclesiástico ou magisterial que seguir.

Cada Aluno deverá apresentar a produção de um texto sobre este material e em resposta à pergunta: “Qual o Seu Conhecimento de Deus e o que isto Significa?” Corresponderá a um a trabalho que alberga as 6 horas e confirmará a leitura do material. É fundamental que este trabalho tenha o mínimo de 6 páginas e, cite obrigatoriamente, no mínimo 5 destes documentos (com citações pontuais). O trabalho deverá ser encaminhado para o Professor, até o dia 15/10/2017 no email: professorjean@naturologiaclinica.org – a nota da disciplina será expedida até o dia 20/10/2017.

(2.2.) Vídeos Obrigatórios.

Consiste em material que deve ser estudado, assistido e analisado pelos Estudantes, para formação de uma consciência ampla sobre o significado da Epistemologia teológica.

Os materiais são indicados nos link’s e se tornaram de domínio público. Para baixá-los, basta clicar nos link’s e eles abrem na página ao lado.

Computaremos 12 horas de atividades de assistência e de interação com este conteúdo.

A Coleção de Vídeos representa uma excelente oportunidade de interagir com grandes expoentes da epistemologia, bem como cenários associados ao que nos importa no cenário teológico.

São 24 vídeos e cada estudante deve trazer para a sala de aula no dia do Encontro com o Professor um texto produzido à partir deste material que responda a seguinte questão: Como o Teólogo Deve Usar o Conhecimento de Deus Para Produzir Qualidade de Vida?

É fundamental que este trabalho tenha o mínimo de 6 páginas e, cite obrigatoriamente, no mínimo 5 destes documentos/vídeos (com citações pontuais). O trabalho deverá ser encaminhado para o Professor, até o dia 15/10/2017 no email: professorjean@naturologiaclinica.org – a nota da disciplina será expedida até o dia 20/10/2017.

Os vídeos são num total de 18 horas e 37 minutos:

(1) Filosofia Medieval I – Santo Agostinho – 28 minutos.

(2) Filosofia Medieval II – São Tomás de Aquino – 10 minutos.

(3) Santo Agostinho – O Declínio do Império Romano – 1 hora e 40 minutos.

(4) Teorias da Percepção na Escolástica e na Filosofia Moderna – 23 minutos.

(5) Deus Pessoal e Epistemologia – 20 minutos.

(6) Epistemologia Cristã: Introdução à Teoria do Conhecimento e Epistemologias Tradicionais – 1 hora.

(7) Santo Tomás de Aquino – 2 horas

(8) Lógica e Conhecimento e a Teoria do Intuicionismo Radical – 14 minutos

(9)O Encanto do Conhecimento de Deus – 46 minutos

(10) Conhecer a Deus é Uma Experiência – 10 minutos

(11) Introdução a Epistemologia – 1 hora

(12) Epistemologia na Perspectiva Reformada – 46 minutos

(13) Argumentos Para a Existência de Deus – 36 minutos

(14) Argumentos Lógicos da Existência de Deus – 16 minutos

(15) Provas da Existência de Deus, na Perspectiva Racional – 34 minutos

(16) Analisando as Provas (Católicas) da Existência de Deus – 32 minutos

(17) A Imoralidade do Não Conhecimento de Deus – 47 minutos

(18) O Ateísmo é Imoral – 46 minutos

(19) A Independência de Deus – 45 minutos

(20) A Imanência e Transcendência de Deus – 1 hora

(21) O Deus Redentor – 1 hora

(22) A Imutabilidade de Deus – 41 minutos

(23) Santificando o Nome de Deus – 43 minutos

(24) A Importância do Conhecimento de Deus – 1 hora e 20 minutos

(2.3.) Curso Sobre a Confissão de Westminster.

Não é obrigatório este material sobre a Confissão de Westminster, mas colocamos aqui como acessório para o enriquecimento dos Estudantes, de sorte que possam avançar no sentido de compreenderem a amplitude e o marco histórico que tal manifestação teve na História da Igreja.

Um excelente material de investigação para apreciação individual, na busca da compreensão da vida espiritual:

1- Westminster – Abertura da Pauta: História e Relevância

2- Westminster – Da Sagrada Escritura

3- Westminster – De Deus e da Santíssima Trindade

4- Westminster – Parte de Deus I – Dos Eternos Decretos de Deus

5- Westminster – Parte de Deus II – Dos Eternos Decretos de Deus

6- Westminster – Da Criação

7- Westminster – Da Providência

8- Westminster – Da Queda

9- Westminster – Do Pacto de Deus Com o Homem

10- Westminster – De Cristo, o Mediador (I)

11- Westminster – De Cristo, o Mediador (II)

12- Westminster – Do Livre Arbítrio

13- Westminster – Da Vocação Eficaz

14- Westminster – Da Justificação

15- Westminster – Da Vocação

(2.4.) Curso Sobre Teodiceia.

Não é obrigatório este material sobre a Teodiceia, mas colocamos aqui como acessório para o enriquecimento dos Estudantes, de sorte que possam avançar no sentido de compreenderem a amplitude e os fundamentos do pensamento objetivo sobre “Deus e a Realidade”no cenário da História da Igreja Cristã (primeiramente Católica) e igualmente no sentido amplo da Reforma.

Um excelente material de investigação para apreciação individual, na busca da compreensão da vida espiritual:

1- Introdução ao Curso de Teodiceia. Duração: 1 hora.

2-Uma Resposta a Kant. / O Homem Que Naturalmente Busca a Deus. Duração: 1 hora e 25 minutos.

3- O Homem e os Meios Éticos Para a Sua Realização. / As Experiências Originárias. Duração: 1 hora e 37 minutos.

4- Experiência do Sofrimento e Assertiva do Pensamento. / O Que Significa Ter Um Deus? Duração: 1 hora e 34 minutos.

5- O Problema da Pergunta. / Os Limites da Razão Humana na Teologia de São Tomás de Aquino. Duração: 1 hora e 4 minutos.

6- O Homem é Capaz de Deus. / O Falar Analógico. Duração: 1 hora e 5 minutos.

7- A Origem das Coisas e a Resposta do Ateu. / O Sentido das Coisas. Duração: 1 hora e 16 minutos.

8- Sentido das Demonstrações. / As Perguntas Sobre a Existência de Deus. Duração: 1 hora e 18 minutos.

9- Dificuldades do Argumento Ontológico de Santo Anselmo. / Argumento Noológico. Duração: 1 hora e 22 minutos.

10- Argumento Cosmológico e Teleológico. Duração: 2 horas e 9 minutos.

11- Argumento Moral. Fundamento das Refutações (I). Duração: 1 hora e 37 minutos.

12- Fundamentos das Refutações (II). Exemplo de Ateísmo (I). Duração: 1 hora 51 minutos.

13- Exemplo de Ateísmo (II). Albert Camus. Jean Paul Sartre. Duração: 2 horas e 3 minutos.

(2.5.) Conclusão.

Assim, meus caros amigos, temos 2 trabalhos para serem entregues, certo?

  • Um texto de 6 páginas, conforme já indicado, do item “2.1.” e “2.2.” aqui indicados.

Agradeço a oportunidade da interatividade e, espero sinceramente que o conhecimento de Deus seja a máxima na Vossa vida diante da própria experiência de estar vivo e ter neste viver um significado e um propósito digno da Vossa elevada vocação.

Cordialmente,

Prof. Jean Alves Cabral

professorjean@naturologiaclinica.org

 

 

 

 

Princípios, Fundamentos de Coaching – Módulo

Olá meus amigos,

Fui convidado pela Direção da Faculdade Kurios, com sede na Cidade de Maranguape (CE), para ministrar uma disciplina intitulada “Princípios, Fundamentos do Coaching”. Será num Curso de Especialização e me sinto honrado com a oportunidade!

De início, aceitei pela extraordinária chance de compartilhar uma visão que tenho tido deste setor, mas também pela grata satisfação de interagir com nobres estudantes da Casa que me acolheu com 2 projetos meus na área de saúde, na esfera da Especialização e que terão lugar nos próximos meses.

Pois bem, avançando cuidadosamente em direção da plataforma de gestão coloco aqui nesta página os materiais que os Estudantes deverão assenhorar-se conforme descrevo na mensagem abaixo.

Cordialmente,

Prof. Dr. Jean Alves Cabral

Disciplina: Princípios, Fundamentos do Coaching.

Antes de qualquer questão, peço a gentileza de assistir ao vídeo indicado a seguir. Ele versa sobre uma questão crucial e essencial da vida: O Que Fazer Para Mudar de Vida? (Prof. Olavo de Carvalho – 17 minutos).

Um Coaching é alguém que se propõe favorecer as pessoas a encontrarem a oportunidade de uma conquista de objetivos específicos ou objetivos estruturais. É literalmente um treinador!

Porém, é preciso achar-se antes de se lançar no ofício de construir vidas, de ajudar a empreender, de compor projetos em que a palavra sucesso virou moda!

É preciso, na qualidade de futuros Coach’s se ver no processo e esta primeira provocação, espero com sinceridade, possa ser positiva em abrir uma ambiência mental que nos faça trabalhar juntos até concluirmos esta disciplina de modo favorável para todos nós.

 

(1) Introdução a Disciplina.

Na dispensação da disciplina que iremos estudar, uma dinâmica está aqui enunciada:

  • Primeiro, é preciso entender a Ementa da disciplina: O Coaching; seus princípios e fundamentos, para a aplicação na vida pessoal e na esfera do trabalho. A obviedade da dimensão terapêutica e mentorial do Coaching. A teoria de que funciona como algo separado de “terapêutica, de consultoria, de aconselhamento” confrontada com a abordagem maiêutica e noética da vida real. Os grandes aspectos e as modalidades de atuação dos Coach’s.
  • Segundo, obedecendo ao que se dispõe pela Coordenação do Curso para este Professor, faremos o seguinte:
    • Imediatamente, os Estudantes deverão assistir 12 horas de vídeos temáticos conforme indicamos abaixo.
    • Assenhorar-se do material de leitura que disponibilizamos imediatamente, conforme indicamos abaixo. Há um material obrigatório e há um material de apoio – convém examinar tudo para se albergar boa expertise. Computaremos 6 horas nesta atividade que deverá ser seguida como indicaremos abaixo.
    • Produção de material avaliativo conclusivo da disciplina e que corresponderá a 4 horas de atividade.
    • Encontro presencial com o Professor – 8 horas, conforme determinação da Coordenação.
  • Terceiro, a linha de investigação é a seguinte:
    • O que é Coaching?
    • Modelos de Coaching.
    • O que pretende o método de Coaching
    • A base do Coaching
    • Princípios do Coaching
    • O Processo de Coaching
    • Pré-condições para treinar (o serviço do Coach)
    • Métodos de aprendizagem centrados na formação de Coach’s com uma breve enunciação sobre Maiêutica e Noética, bem como da Filosofia da Qualidade de Vida que está na base da visão estrutural do Coaching.

(2) Materiais de Suporte.

Aqui colocarei os materiais que estão anexados na minha plataforma pessoal, para que os alunos possam albergar a dinâmica de entendimento do conteúdo que compõe a disciplina. Recapitulando, são:

(2.1.) Material Obrigatório.

Consiste em material que deve ser estudado, lido e analisado pelos Estudantes, para formação de uma consciência ampla sobre o significado do Coaching, tal como o temos visto no mercado.

Os materiais são indicados nos link’s e se tornaram de domínio público. Para baixá-los, basta clicar nos link’s e eles abrem na página ao lado. Computaremos 6 horas de atividades de leitura e interação com este conteúdo.

É importante que cada estudante tenha em sua mente que, estamos num Curso de Especialização, portanto, todos já são graduados e a criação de um domínio sobre um determinado material de leitura para “ambientação sobre as pautas” é questão simples e que todos devem já dominar.

São 10 textos e cada estudante deve trazer para a sala de aula no dia do Encontro com o Professor um texto produzido à partir deste material que responda a seguinte questão: O Que o Coaching Significa Para Mim?

Esta tarefa consolidará a carga de 6 horas de desenvolvimento da disciplina e corresponderá a confirmação da leitura do material. É fundamental que este trabalho tenha o mínimo de 10 páginas e, cite obrigatoriamente, no mínimo 5 destes documentos (com citações pontuais). O trabalho deverá ser trazido em Pen-Drive para que o Professor receba em sala de aula (ele ficará com a cópia e não o Pen-Drive).

  • Desmistificando o Coaching.

http://tecnologiahumana.com/wp-content/uploads/2016/06/Desmistificando-o-Coaching.pdf

  • Instrumental Para Coaching.

http://media.ibccoaching.com.br/pdf/Apostila-Ferramentas.pdf

  • Diferenças Entre Coaching e Mentoria.

(Este link baixa o documento direto) – www.admpg.com.br/2015/down.php?id=1861&q=1

  • O Coaching Como Instrumento Administrativo.

http://www.pgsskroton.com.br/seer/index.php/rcger/article/viewFile/2601/2482

  • Estruturando a Teoria do Coaching

http://www.ibccoaching.com.br/arqs/downloads/99.pdf

  • O Coaching Como Instrumento de Treinamento.

http://www.arvoredo.com.br/livro/livro.pdf

  • O Coaching Sistêmico.

http://lmdesenvolvimento.com.br/pdf/CoachingSistêmico_Revisão.pdf

  • Manual do Coaching Executivo.

http://www.theexecutivecoachingforum.com/docs/default-document-library/executive-coaching-manual-brasilianf6a0.pdf

  • O Coaching Como Filosofia de Liderança.

http://www.holos.org.br/wp-content/uploads/2013/05/lider-coach-coaching-filosofia-lideranca-ligia-feitosa.pdf

  • O Papel do Coaching no Desenvolvimento do Indivíduo

http://repositorio.uniceub.br/bitstream/123456789/872/2/20301557.pdf

(2.2.) Vídeos Obrigatórios.

Consiste em material que deve ser estudado, lido e analisado pelos Estudantes, para formação de uma consciência ampla sobre o significado do Coaching, tal como o temos visto no mercado.

Os materiais são indicados nos link’s e se tornaram de domínio público. Para baixá-los, basta clicar nos link’s e eles abrem na página ao lado.

Computaremos 12 horas de atividades de assistência e de interação com este conteúdo.

É importante que cada estudante tenha em sua mente que, estamos num Curso de Especialização, portanto, todos já são graduados e a criação de um domínio sobre um determinado material de leitura para “ambientação sobre as pautas” é questão simples e que todos devem já dominar.

São 16 vídeos e cada estudante deve trazer para a sala de aula no dia do Encontro com o Professor um texto produzido à partir deste material que responda a seguinte questão: Como o Coaching Pode Mudar a Vida das Pessoas Para Melhor?

Esta tarefa consolidará a carga de 12 horas de desenvolvimento da disciplina e corresponderá a confirmação da assistência do material. É fundamental que este trabalho tenha o mínimo de 10 páginas e, cite obrigatoriamente, no mínimo 8 destes vídeos (com citações pontuais). O trabalho deverá ser entregue em no máximo quinze (15) dias após o Encontro com o Professor em sala de aula.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  • Qual o Sentido da Vida? Dr. Rodrigo Silva (1 hora)

 

2.3. Encontro Com o Professor Jean em Sala de Aula.

Em nosso encontro na sala de aula, teremos a oportunidade criar uma síntese conjuntamente com base na proposta da Ementa, mas o instrumental oferecido aqui, bem como a interatividade do Aluno com tais materiais, alinhado com a sua própria bagagem como Profissional, como Acadêmico e Estudante de Coaching, criará a ambiência exata para que possamos criar uma condição Maiêutica do que virá a ser o futuro Coaching que desejamos ser, na esfera onde nos dispomos atuar.

Levarei um material especial comigo, power point’s e anotações oportunas – portanto, todos devem ter consigo o Pen-Drive para que eu possa entregar este material em sala de aula para que possais levá-lo.

Assim, a ética que buscamos, envolve uma linha mestra de entendimentos que serão prioridade no Encontro de 8 horas onde poderemos fechar o conjunto argumentativo que pretendemos desvendar.

A interatividade de cada Estudante com o Encontro será avaliada como terceira nota e, a sua capacidade de se manifestar em torno das questões que forem provocadas pelo Professor serão devidamente apontadas.

2.4. Materiais de Apoio Investigativo Para os Que Desejarem.

Por fim, como uma gesto de boa vontade e apoio para os nobres Estudantes, colocamos aqui uma lista de livros que poderão favorecer oportunamente, pelo resto da carreira, cada Aluno, de sorte que possa ter muitas visões acerca do que significa ser um Coaching comprometido com a Qualidade de Vida e com permanente aperfeiçoamento.

Os Textos aqui indicados são de domínio público.

13 Coisas que as Pessoas Mental – Amy Morin

A 3a alternativa_ Resolvendo os – Stephen R. Covey

A Arte da Imperfeicao – Brene Brown

A Ciencia de Ficar Rico – Wallace D. Wattles

A Lei do Triunfo – Napoleon Hill

A Mente Organizada – Daniel J. Levitin

As Cinco Linguagens do Amor – Gary Chapman

As Regras Do Trabalho – Richard Templar

As vantagens de ser otimista – Allan Percy

As Vezes Voce Ganha, as Vezes V – John C. Maxwell

Como Evitar Preocupações e Começar a Viver

Como Fazer Amigos e Influenciar – Dale Carnegie

Desperte o Gigante Interior – Anthony Robbins

Faca seu Cerebro Trabalhar por – Renato Alves

Forca de Vontade – Roy F. Baumeister

Golden Book – Dale Carnegie

O Homem e Aquilo Que Ele Pensa – James Allen

O Poder Infinito da Sua Mente – Lauro Trevisan

O Sucesso e ser Feliz – Roberto Shinyashiki

O Universo Autoconsciente – Amit Goswami

Pequenas Atitudes, Grandes Muda – Caroline L. Arnold

Singular – O poder de ser difer – Jacob Petry

100 Maneiras de Motivar a si Me – Steve Chandler

100 segredos das pessoas felizes – David Niven

A Coragem de Ser Imperfeito – Brene Brown

A vida que vale a pena ser vivi – Clovis De Barros Filho

Pare de Se Sabotar e De a Volta – Flip Flippen

Produtividade Para Quem Quer Te – Geronimo Theml

Sobre a arte de viver – Roman Krznaric

 

 

Como Se Estabelece o Direito dos Naturologistas Clínicos Trabalharem no Brasil?

Este documento foi publicado como Ofício 014.10.06.2017 do Gabinete do Prof. Jean Alves Cabral, no dia 10/06/2017.

Tema: Como Se Estabelece o Direito dos Naturologistas Clínicos Trabalharem no Brasil?

(Texto utilizado na disciplina “Ética e Legislação Naturológica”, no Curso de Terapias Naturais promovido pelo Gabinete).

Está liberado no formato PDF que pode ser baixado:

 

A Dignidade da Pessoa Humana!

A Dignidade da Pessoa Humana.

Para os existencialistas, a essência do ser humano é a sua existência; ou numa abordagem contemporânea:

Não existe natureza essencial do homem exceto num ponto: o de que ele pode fazer dele mesmo o que quiser. O homem cria o que ele é; nada lhe é dado para determinar sua criatividade. A essência do seu ser – o ‘dever ser’ e o ‘tem que ser’ – não é algo que ele encontre pronto, ele constrói. O homem é aquilo que ele faz de si mesmo.[1]

A Naturologia é uma filosofia que prioriza o cuidado da qualidade de vida do ser humano, partindo da concepção holística que possui deste ser, num harmonioso conjunto indivisível, mas classificado para conveniência de nossa tênue capacidade intelectual em dimensões ou potencialidades que se fundem e dão origem a um todo designado ‘pessoa’.

Para Roberto Crema, este holismo nasce com as pesquisas cuidadosas de filósofos e físicos quânticos que consolidam com John Lilly, uma série de pesquisas sobre a natureza da realidade e, apontam uma abordagem holística em três níveis de análise da realidade:

É dita ontológica a teoria relativa àquilo que eu sou; é dita gnosiológica a teoria relativa àquilo que eu sei; é dita epistemológica a teoria relativa a como eu sei.[2]

Esses três níveis do saber se interpretam e reciprocamente se determinam, consolidando a indissolúvel unidade existencial saber-ser. Este modelo está destruindo o paradigma newtoniano-cartesiano e dando à luz uma nova racionalidade que é holocentrada, isto é, uma cosmovisão holística.

A dignidade da pessoa humana está, pois, em processo de ampla revolução e a definição de sua identidade precisa ser reavaliada, concentrando as perspectivas acerca da ética e da melhor doutrina em torno da preservação da vida – acima das opiniões pessoais, e preservando a unidade do conceito de que ela deve ser preservada holisticamente.

A individualidade humana só pode ser tolerada até o ponto em que ela não se propõe atacar e destruir a vida das outras pessoas – é por uma determinação deste nível que a Humanidade se uniu para extirpar da Terra, doutrinas fascistas e nazistas!

Quando um naturologista pensa em um ser humano ele não pensa que trata-se de uma coisa que pode proporcionar-lhe dinheiro numa consulta ao seu Gabinete, mas pressupõe-se que este profissional sabe distinguir entre o ser-holístico que está diante de seus olhos e as necessidades de um mercado em colapso contra o sentido de ser.

Em nossa compreensão é preciso entender bem estas questões porque o sentido de ter (dinheiro como fruto de um trabalho), só se justifica se este trabalho for bem feito, o que implicará em um sentido superior de ser.

E porque não há opções fora deste senso de direção? Porque a própria definição holística do que é ser humano preconizada pelos Naturologistas impõe esta postura.

Um Naturologista não pode, por exemplo, ser encontrado bebendo uma cerveja em público (e muito menos fazê-lo em secreto), porque a sua existência é como uma luz a ser seguida. O seu discurso só se justifica diante de uma vida que seja prática e bem fundamentada em valores que ele deve repassar às pessoas como sendo uma verdade inexorável e indissolúvel para si mesmo.

E a maior de todas estas verdades é a de que as pessoas são seres com elevada dignidade e uma especialíssima septenaridade que não pode ser ofuscada por qualquer interesse que não seja a vida, a honra e a ética como instrumentalidade moral.

Em todo o tempo o Naturologista anda pelas ruas no meio de seres humanos e para ele elas são pessoas; e “ser pessoa” significa imediatamente ser uma personalidade e uma individualidade moral, com uma visão de mundo específica, com a possibilidade de distinguir-se de todos os outros, de preservar a interioridade de seu próprio ser e de possuir uma esfera íntima, em si mesmo, capaz de perceber a existência em seu físico, emocional, mental, espiritual que, são tão intimamente ligados que não podem ser entendidos ou percebidos de forma divisível, mas são todo o tempo uma unidade, isto é, uma pessoa.

Potencialidades tais como vontade livre e inteligência são manipuláveis pelos elementos diversos que influenciam a vida do indivíduo, mas mesmo assim, o indivíduo é pessoa, porque possui o poder de pensar em si mesmo, contestar o que lhe impuseram desde criança e seguir outro caminho que lhe pareça o ideal para uma íntima e delicada intuição que lhe força buscar da vida uma existência segura.

Diz Deepak Chopra:

Em vez de encarar seu corpo como um amontoado de células, tecidos e órgãos você pode usar uma perspectiva quântica e perceber o silencioso fluir da inteligência. É uma emissão constante de impulsos que criam, controlam e transformam seu corpo físico. O segredo da vida nesse nível é que qualquer coisa em seu corpo pode ser alterada com o lampejo da intenção.[3]

Esta abordagem da perspectiva quântica é explicitada pelo próprio Dr. Chopra:

A física nos informa que a estrutura básica da natureza se encontra no nível quântico, bem além dos átomos e das moléculas. Um quantum, a unidade básica da matéria ou energia, é 10 a 100 milhões de vezes menor que o átomo mais ínfimo. Nesse nível, a matéria e a energia são interligadas. Cada quantum é feito de vibrações invisíveis, fantasmas de energia à espera de assumir a forma física. (…) O corpo mecânico quântico é a base fundamental de tudo o que somos: pensamentos, emoções, proteínas, células, órgãos. Enfim, qualquer parte de nós, visível ou invisível. Seu corpo envia todo o tipo de sinais invisíveis no nível quântico, esperando que consiga captá-los. Você tem um pulso quântico além do físico e um coração quântico que o impulsiona.[4]

Esta nova abordagem traz para todas as ciências que lidam diretamente com a vida humana uma nova discussão e um novo debate.

Nós da Naturologia, sobretudo da Escola Brasileira que defende uma postura Clínica, não podemos dispensar de forma alguma esta perspectiva e nos lançamos nela com o afã de torná-la ampla, porque a questão da dignidade da pessoa humana é a raiz primária de qualquer discussão sobre saúde, vida e prática de Terapias Naturais.

Se qualquer Curso de Terapias Naturais não deixa bem delineada esta doutrina, simplesmente é um Curso desfocado do verdadeiro significado de ser do Naturólogo.

As diretrizes da avaliação acerca desta doutrina da dignidade da pessoa humana, foi e é, objeto direto de nossa atenção, temos feito questão de pontuar, na exposição oficial de nosso Gabinete em relação ao que denominamos “A Doutrina da Finalidade Moral da Vida Humana”.

Todos nós que atuamos na área da saúde e mesmo a população em geral, precisamos analisar sistematicamente os problemas morais suscitados pelos progressos científicos nos domínios da biologia, da medicina e da saúde em geral, porque a Humanidade comemora 62 anos da Declaração Universal dos Direitos da Pessoa Humana – e não podemos aceitar, de forma alguma, qualquer coisa que possa atentar contra tal dignidade essencial à sobrevivência da nossa espécie.

Nosso Gabinete, com frequência se debruça sobre as mais relevantes questões que ensejam componentes filosóficos, biológicos, psicológicos e suas implicações éticas.

Uma destas questões, por exemplo, é a que envolve a prática do aborto. No Brasil, atualmente, certas ameaças deste nível se impõem como inimigos a serem derrotados no Congresso Nacional e nas consciências das pessoas que são assediadas por tal proposta.

Em nosso trabalho, temos a mais absoluta certeza de que devemos evitar o crescimento populacional desenfreado, porque ele tem gerado uma condição de miséria pela superpopulação que faz qualquer um com a mínima visão do futuro estremecer.

Onde teremos alimento para 9 bilhões de pessoas em 2050?

Mas, daí a defendermos uma postura favorável ao aborto há um abismo que só pode ser compreendido na relação de distância que há entre o Reino de Deus e o Reino do Diabo.

Outras questões que poderiam ser elencadas são: manipulação de células-tronco embrionárias, medo de ter filhos, crise da família, baixo investimento em saúde pública, fome, narcotráfico, alcoolismo, tabagismo, enfim, uma enorme lista de pontos poderiam ser objeto de nossa discussão e de fato serão sempre objeto de nossa participação em muitos cenários, mas, nenhuma delas tem qualquer significado sem o tema mais elementar de todos: a finalidade moral da vida humana, a dignidade da vida humana.

Ninguém poderá negar que o direito humano fundamental, o pressuposto básico de todos os direitos, é o direito à própria vida. Isto deve valer desde a concepção até a morte natural. Ora, se este princípio é de fato “um princípio”, então, temas tais quais o aborto não é um direito humano!

A guisa de lembrança, os Naturologistas Clínicos de nossa Escola não escondem sua devoção ao Deus Criador do Céu e da Terra e, não entendem ser esta confissão um entrave na gestão científica de sua militância profissional. Isto deve ser enfatizado, porque os defensores de doutrinas anti-vida, tais como a frente pró-aborto argumenta que o Estado de Direito Brasileiro é “laico” e que trazer para a pauta os elementos religiosos seria um atentado à justa ordenação jurídica e ferir um princípio constitucional.

Discordamos peremptoriamente deste argumento falacioso, porque se observarmos cuidadosamente a Constituição Federal, em seu preâmbulo, vamos ver escrito ali exatamente o seguinte:

Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembleia Nacional Constituinte para instituir um Estado democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte Constituição da República Federativa do Brasil. (Preâmbulo da Constituição Federal).

A “presença de Deus” no ideal humano manifesto na nossa Constituição Federal decorre da experiência da imensa maioria Parlamentar Brasileira com o Deus cristão que “não faz acepção de pessoas” (Atos 10:34), mas “amou o Mundo de tal maneira que deu Seu Filho Unigênito para que todo aquele que nEle crê não pereça mas tenha a vida eterna” (João 3:16).

O laicismo jurídico brasileiro encontra um ponto onde há uma sinalização poderosa dizendo “PARE”:

(CF, Artigo 5º) Todos são iguais perante a Lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade.

A laicidade dos sistemas de governo deve ser fortemente defendida e nós a defenderemos com nossa vida se preciso for, desde que ela não seja usada para destruir o que a própria Constituição Federal propõe defender: a vida humana em sua máxima dignidade existencial!

Perder este foco é perder todo o foco que há!

Antes de ser laico, o Estado Brasileiro é democrático de direito, o que significa que, a ideia do aborto e as manifestações a seu favor devem ser aceitas no campo dos debates, mas igualmente os cristãos que se opõem ao mesmo e que são esmagadora maioria, graças a Deus, devem ser respeitados em igualdade de condições e influenciar pelo voto no Congresso a este argumento que, embora tolerado por força da liberdade, é imoral no princípio anti-vida.

Isto é um dos pontos que devem ser bem estabelecidos!

A dignidade da pessoa humana não pode ser edificada com o assassinato de milhões de crianças que já estão vivas com todo seu potencial holístico no ventre da mãe. Defender que o Estado tem o poder de limitar o nascimento por meio do aborto denota uma consciência sem senso humanitário mínimo – para nós é algo comparável ao flagelo nazista!

Entendemos que há outros caminhos para se evitar o nascimento de seres humanos que não podem ser desprezados e nem criticados com inteligência, enquanto não existe criança nenhuma fecundada no ventre da mulher. Mas, uma vez que haja um bebê na mulher, então já é um santuário do Senhor em desenvolvimento e, deste ponto em diante, bendita é a mulher que tiver este dom!

O Estado que mata crianças através da lei do aborto não é democrático porque está dizendo por este ato que possui, de alguma forma não natural e anti-espiritual, o direito de matar certos grupos de pessoas, para satisfazer ao egotismo de alguns egocêntricos.

O dinheiro público existe para celebrar a vida e não a morte!

Esta questão da dignidade da vida humana é tema amplo e complexo, mas podemos transitar nele com serena calma e certeza do bem divino, porque conhecendo o princípio da própria dignidade da vida em si, já sabemos que, qualquer pensamento, ideia, projeto, teoria ou atitude que conspire contra a vida, diminua a vida, deve ser rejeitado e combatido firmemente.

Se alguém destruir o Santuário de Deus, Deus o destruirá, porque sagrado é o Santuário de Deus que sois vós (1ª Coríntios 3:17).

______________________________________

Prof. Dr. Jean Alves Cabral

[1] GONÇALVES, Ernesto Lima. Moral Médica. Editora Sarvier, São Paulo, 1984, p.3.

[2] CREMA, Roberto. Introdução à Visão Holística. Summus Editorial, São Paulo, 1988, p. 77.

[3] CHOPRA, Deepak. Saúde Perfeita. Editora Best Seller, São Paulo, 2004, p. 17.

[4] CHOPRA, Deepak. Saúde Perfeita. Editora Best Seller, São Paulo, 2004, p. 14.

Ética na Vida – Perspectiva Cristã.

Ética da Vida – Perspectiva Cristã.

Recentemente em um diálogo com um de meus ex-alunos, tratamos da questão de que cada um de nós deve seguir seu próprio caminho, como bem o diz a Palavra de Deus em Romanos 14:12: “de modo que cada um de nós dará conta de si mesmo diante de Deus”.

Em Jó 17:9 está escrito que “o justo seguirá o seu caminho firmemente, e o puro de mãos irá crescendo em força”. Bem sabemos que “o justo” aqui é aquela pessoa que crê (Romanos 10:9) que a vida perfeita de Cristo é imputada ou creditada em seu favor e a sua vida pecaminosa é colocada sobre o Filho de Deus (2ª Coríntios 5:18-21) e, por esta crença, se vê, confia e acredita de todas as suas mais profundas forças que está em paz com Deus (Romanos 5:1; 8:1; Efésios 2:8-10).

Assim, o justo é uma pessoa que tem uma intenção profunda em sua alma em crer em Deus como seu justificador! Aquele que perdoa!

Deseja promover a seguinte ética em relação a si próprio: “Porque, segundo a obra do homem, Ele oferece uma paga; e faz a cada um segundo o seu caminho” (Jó 34:11).

Efetivamente, se a pessoa tem uma intenção decente e está harmonizada com o princípio declarado no significado do que vem a ser um “justo”, a sentença deverá ser esta: “Aquele que ordena bem o seu caminho eu mostrarei a salvação de Deus” (Salmo 50:23); ou seja, “Os passos de um homem íntegro são confirmados pelo Senhor, e deleita-se no seu caminho” (Salmo 37:23), e, Os retos fazem o seu caminho quando se desviam do mal; o que guarda o seu caminho assim preserva a sua alma” (Provérbios 16:17).

Esta história de “caminho” é fortíssima na Bíblia, de sorte que devemos pensar nela por um instante, porque a nossa vida está em um caminho e vivemos uma caminhada, independentemente de qualquer sonho ou aspiração que tenhamos! Jamais devemos duvidar do que está escrito: “Abominação ao Senhor são os perversos de coração, mas os que seguem um caminho sincero são o Seu deleite” (Provérbios 11:20).

Em Deuteronômio 30:19 disse o Senhor algo que ainda vale para cada mortal: “O céu e a terra tomo hoje por testemunhas contra ti de que te pus diante de ti a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência”.

O patriarca Josué nos ajuda a escolher de modo inteligente e sensato ao dizer assim: “Mas, se vos parece mal o servirdes ao Senhor, escolhei hoje a quem haveis de servir; se aos deuses a quem serviram vossos pais, que estavam além do Rio, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais. Porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor” (Josué 24:15).

Esta escolha pelo caminho bom, justo, íntegro, correto, sincero e de utilidade na vida, está profundamente ligado ao significado de nossas vidas!

Prof. Dr. Jean Alves Cabral

 

 

 

 

 

Ernesto Cortázar – Músico Magnífico!

Eu sou um confesso amante da música de Ernesto Cortázar (filho).

Seu piano não é apenas uma extensão de sua percepção da alma, mas ele colocou nas suas composições a exata manifestação de uma musicalidade que é 100% minha; sobretudo, quando estou rigorosamente sozinho e isolado.

Reconheço peças isoladas de outros compositores com o mesmo magnetismo extraordinário, porém, a obra inteira de Cortázar é toda ela uma obra-prima criada para mim (digo eu à mim mesmo!), com todas as vênias e licenças que a alma musical pode albergar!

Agradeço a Deus pela vida de Cortázar pelo bem que sua música me faz.

Biografia

Ernesto Cortázar, compositor, nasceu em 10 de dezembro de 1897, em Tampico, Tamaulipas, México e faleceu em 1953. Desde sua infância foi atraído pela arte e jovem ainda teve a oportunidade de dar forma as suas inquietudes ao integrar-se no grupo Los Trovadores Tamaulipecos com Lorenzo Barcelata, José Agustín Ramírez e Carlos Peña, percorrendo grande parte do país e EUA.

Pouco depois se separou do grupo para buscar novos horizontes. Conheceu Manuel Esperón e com ele formou uma inesquecível dupla de compositores, já que ambos trabalharam incansavelmente, Esperón como músico e Cortázar como letrista, surgindo numerosas canções de essência regional e nacionalista que encontraram em Jorge Negrete o seu melhor intérprete.

A maioria de suas canções foi utilizada no cinema, desenvolvendo-se nesta área como argumentista. A ele se devem as letras de canções famosas como “A la orilla del mar“, “El corrido villista“, “Cuando tú me quieras“, “La palomita“, “Espejito”, “Ay Jalisco no te rajes“, “No volveré“, “Cocula”, “Esos altos de Jalisco“, “El queretano“, “Que lindo es Michoacán“, “Tampico”, “El toro coquito“, “Arandas“, “Así se quiere en Jalisco“, “Que te cuesta“, para mencionar algumas.

Quando presidente da Sociedade de Autores e Compositores do México, morreu em um acidente automobilístico em 30 de novembro de 1953, em Lagos de Moreno, Jalisco, ao viajar a Guadalajara para presidir um congresso.

Conhecido como Ernesto Cortazar II é de uma família de compositores. O pai de Ernesto, Ernesto Cortazar I, foi um compositor talentoso respeitado em seu campo e foi nomeado presidente da Sociedade de Autores e Compositores.

Quando Ernesto Cortazar II tinha 13 anos, ele tragicamente perdeu ambos os pais em um acidente de carro horrível. Apesar da tragédia Ernesto precedido por seus estudos intensos por assistir a uma academia de música, trabalhou nesta direção por 17 anos, até que começou a ser convidado para atuar com suas peças em muitos filmes.

Aos 18 anos, Ernesto completou sua primeira trilha sonora para o filme “La Risa de la Ciudad“. A composição musical principal para este filme foi peça para piano de Ernesto intitulado “Rio dos Sonhos“. Com este filme, Ernesto Cortazar ganhou o prêmio de Melhor Música de fundo para um filme latino-americano no Festival de Cartagena. Desde então, Ernesto compôs partituras para mais de 500 filmes.

Viajou para mais de 25 países e executou as suas composições originais diante de figuras políticas como o presidente Menem (da Argentina), Nikita Krushev (da URSS) e entretido em tais locais de prestígio, incluindo o Kremlin (URSS) e a Casa Presidencial Mexicana.

O Desempenho incrível de Ernesto foi solicitado e apreciado por muitas das maiores celebridades de Hollywood, incluindo Charlton Heston, Danny de Vito, Michael Bolton, Octavio Paz, e os Rolling Stones.

Incluindo os EUA, Ernesto vendeu mais de 30.000 CDs para 69 países sem qualquer gravadora, empresa de gestão ou agência. É considerado o campeão mundial de “downloads” quando se fala de baixar música em piano e peças para ambientação – o que eu particularmente chamo de música da alma!

Em 2001, Ernesto se mudou de Los Angeles para Tampico, México para viver seus últimos anos perto de sua família. Ernesto Cortazar II morreu em 2004, mas seu legado permanece com a sua música e seus dois filhos, Ernesto Cortazar III e Edgar Cortazar, que são compositores  de grande sucesso no Mercado Latino.

Algumas Peças Especiais de Ernesto Cortázar